Carta ao Investidor #18

Marcello Vieira

Marcello Vieira

COMPARTILHAR

Nesta 18ª Carta ao Investidor, quero fazer uma reflexão sobre paradigmas.

Acredito que devemos sempre questionar os nossos paradigmas e frameworks de investimentos.

Ou seja, o nosso passo a passo, a nossa metodologia, nossa forma de ver o mundo e os ativos.

Isso porque o mundo muda e nós precisamos mudar junto.

As mudanças chegam com cada vez mais velocidade e devemos aumentar nossa capacidade de adaptação nos investimentos.

Essa é uma skill (habilidade) altamente necessária hoje em dia.

Um exemplo real disso:

Desde a Crise do subprime em 2008, vimos os bancos centrais, principalmente nos EUA, mas do mundo todo também, imprimindo dinheiro para superar a crise e estimular a economia.

E isso gerou um dos maiores bull markets da história da bolsa americana.

No Brasil, foi um pouco diferente porque teve vários problemas internos e também em muitos momentos o dólar estava forte, o que é desfavorável para países emergentes.

Mas, lá fora, vimos a bolsa em alta quase que sem parar.

E até com a pandemia em março de 2020, houve uma queda aguda, mas com uma recuperação rápida também por causa da impressão de dinheiro.

E vejo que alguns investidores e gestores que eu conheço ainda não mudaram o paradigma.

Estão usando como paradigma que: 

Toda a vez que o mercado cai porque existe uma crise, os bancos centrais vão intervir e  não vão deixar a crise se acentuar. Vão imprimir dinheiro e fazer os estímulos e o mercado volta a subir.

E isso é realmente o que vinha acontecendo desde 2008.

Mas, agora, temos fortíssimos indícios de que isso mudou.

E por quê?

Porque agora temos inflação.

E além de ter sido impresso dinheiro em uma proporção muito grande na reação à pandemia, o vírus também causou uma série de problemas logísticos, problemas de cadeia de produção, alteração do tipo de consumo com muita gente migrando para home office e que não voltaram com todos os seus hábitos.

Enfim, uma série de mudanças muito significativas na cadeia de produção.

Ainda veio a guerra da Rússia e da Ucrânia causando aumento das commodities no mundo todo, mais problemas logísticos e agora lockdown na China.

Dessa vez temos inflação e não tínhamos nada disso entre 2008 e 2020.

Sem inflação, os bancos centrais conseguiam imprimir dinheiro.

Com inflação, se injetar mais dinheiro na economia, isso acelera a inflação e causa uma total falta de confiança no sistema.

Realmente machuca a economia. É um problema muito sério. Então, dessa vez, os indícios são de que vai ser diferente.

O banco central não vai conseguir salvar todo mundo.

Não é porque a bolsa está caindo que eles vão desistir de aumentar os juros e voltar a imprimir dinheiro.

Dessa vez eles vão ter que deixar a situação piorar porque não podem mais imprimir dinheiro, senão a inflação vai subir mais ainda.

Isso é uma mudança de paradigma.

Mas muita gente continua com o paradigma antigo.

“Tá caindo…Beleza! Vou comprar o fundo, continuar posicionado e daqui a pouco o banco central entra e volta tudo.”

Ninguém tem bola de cristal, mas agora, eu acredito que realmente as coisas mudaram.

Também acredito que a invasão da Rússia e da Ucrânia é só o início da 3ª guerra mundial.

A situação geopolítica está bem complexa e não deve se resolver tão cedo.

Tudo isso vai causar uma desglobalização. Os países desenvolvidos vão passar a produzir ou internamente ou em países mais próximos e com melhor relacionamento, mais confiáveis.

Toda a cadeia global de distribuição de commodities será revista e todas essas mudanças são fatores altamente inflacionários para o curto prazo.

No longo prazo tudo se ajeita, com a chegada de novas tecnologias vai baixar o preço da energia, vai melhorar o transporte. A tecnologia sempre favorece as coisas e é deflacionária.

Mas, no curto prazo, os indícios são muito fortes de que a inflação será mais persistente do que muita gente imagina.

E com a inflação persistente, os bancos centrais não conseguem imprimir dinheiro, mas muitos investidores continuam com o mesmo paradigma.

Muitas empresas se beneficiaram muito dos juros baixos, do dinheiro fácil circulando no mercado financeiro. Mas, agora com a inflação mais alta, temos também juros mais altos para não deixar a inflação tão descontrolada, o que aumenta a rentabilidade da renda fixa.

E isso faz o investidor se questionar se compensa investir na bolsa.

Porque se ele não for fazer mais do que na renda fixa não compensa.

Se por exemplo você faz 13% na renda fixa e fizer 14% na bolsa, você vai ter que aguentar drawdown, oscilação e risco porque você não tem garantia de que vai render mais do que a renda fixa.

E isso desanima muita gente que acaba deixando de apostar na bolsa.

Ou seja, vários fatores mudaram completamente. E tem que estar atento a tudo isso.

Muitas empresas que se davam bem em um mundo globalizado vão ser prejudicadas agora. A não ser que ajam rápido e passem a ter uma cadeia de produção mais simples.

Desde a 2ª guerra mundial tínhamos paz porque os conflitos não eram tão grandes, não havia confronto de superpoderes.

Muita gente achou que não haveria guerra, quando havia fortes indícios de que teria, nos últimos dias antes da invasão.

Hoje, se você conversar com especialistas em geopolítica, o mais provável é que a questão da guerra não se resolva tão cedo.

Ou seja, é necessário se acostumar a investir em um mundo que tem que lidar com guerra.

Isso muda bastante as coisas.

Gasto militar, endividamento dos países, etc…

São muitas transformações e não apenas o fator da bolsa estar caindo ou não, compra o fundo e mantém.

Os tipos de empresas e criptos que serão beneficiadas ou prejudicadas vão oscilar bastante.

Esteja preparado para quebrar os paradigmas, para quebrar o que você acredita, porque você pode ter que mudar completamente a qualquer momento e isso é fundamental nos investimentos.

Forte Abraço,

COMPARTILHAR.

+ Conteúdo

MARCELLO VIEIRA

• Fundador do Investidor de Sucesso;
• Possui mais de 13.000 alunos;
• Mentor particular de grandes investidores;
• Investidor especialista em novas tecnologias e desenvolvimento de estratégias quantitativas;
• Transformou 32 mil em mais de 1 milhão de dólares em menos de 6 meses de forma pública e transparente;
• Participa de grupos e eventos com vários dos melhores gestores, investidores e traders ao redor do mundo.